GANHE RESPEITO DOS DEMAIS TENDO A OUSADIA DE SER VOCÊ MESMO.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Saiba tudo sobre esclerose múltipla, a doença da atriz Cláudia Rodrigues

Visão afetada, sensibilidade motora e dificuldades para andar são sintomas

Pouco conhecida, a esclerose múltipla é uma doença auto-imune, que se caracteriza pela perda da mielina, substância que reveste os neurônios. Na maioria das vezes, a fase inicial é sutil com sintomas, como visão turva ou pequenas alterações no controle da urina, que passam rápido, mas voltam depois de um período. Por isso isso, a pessoa pode passar dois ou três anos apresentando esses sintomas sensitivos sem dar importância aos pequenos sinais.

Um exemplo de quem sofre de esclerose é a atriz Cláudia Rodrigues, que teve de interromper por mais de um ano as gravações do programa Zorra Total — devido a dificuldades em andar, falar e memorizar — para se dedicar ao tratamento da doença.

No geral, os sintomas da doença são: problemas visuais, distúrbios da linguagem, da marcha, do equilíbrio, da força; fraqueza transitória no início da doença, em uma ou mais extremidades; dormências, com períodos às vezes de melhoras e pioras, sendo que quando predomina na medula, as manifestações motoras, sensitivas e esfincterianas se encontram geralmente presentes, existindo raramente dor.

A médica Soraya Hissa de Carvalho é outro exemplo de superação, pois convive com a esclerose múltipla fazendo o que mais gosta: atender seus pacientes.

Soraya descobriu ser portadora de Esclerose Múltipla em 2001. A partir daí, a doença degenerativa foi ganhando espaço. Três meses depois, perdeu a visão do olho esquerdo, já andava com dificuldades e perdia a sensibilidade do corpo, progressivamente. Em 2002, perdeu o controle do sistema urinário, a total sensibilidade dos membros inferiores e teve a outra visão afetada. Ficou acamada durante um ano, numa época de perdas financeiras e afetivas.

Meses depois, Soraya foi recuperando a saúde, processo irreversível para portadores da doença. Apesar da fraqueza, da insensibilidade do corpo e da debilidade visual, a médica foi recuperando a auto-estima, passou a ativar e trabalhar o cérebro e, demonstrando muita força de vontade, dedicou-se ao estudo. Hoje, a médica voltou a praticar a medicina através de palestras e cursos e vive com a missão de ajudar as pessoas.

Para Soraya, ao diagnosticar a doença, é imprescindível que tratamento seja seguido corretamente, pois ajuda a evitar os surtos e suas conseqüências.

— Só com a divulgação de informações sobre a doença é que podemos ficar atentos aos sinais que o corpo nos dá, tratar o mais rápido possível e de forma adequada — diz Soraya.

BEM-ESTAR

Nenhum comentário: